Esteatose hepática: entenda a gordura no fígado

3 anos atrás  Por  Equipe Natue     1 Comentário

gordura_fígado_capa

Também conhecida como “doença do fígado gordo”, “gordura no fígado”, “fígado gorduroso“ e “doença hepática gordurosa”, a esteatose hepática significa o acúmulo de gordura no fígado, quando a gordura representa mais que 5% do peso do órgão.
A gordura se acumula a longo prazo nos hepatócitos, células que compõem o fígado, provocando uma inflamação e consequentemente fibrose, que são nódulos de gordura rígidos dentro do órgão. Esse quadro pode levar à insuficiência hepática, já que atrapalha a ação adequada do órgão.


style="display:block; text-align:center;"
data-ad-layout="in-article"
data-ad-format="fluid"
data-ad-client="ca-pub-7878685036491382"
data-ad-slot="6234138731">

Perigos da esteatose hepática

Se não tratada corretamente, a gordura no fígado pode causar doenças mais graves, como cirrose hepática, diabete tipo 2, hepatite gordurosa e até mesmo câncer de fígado.

Gordura no fígado: sintomas mais comuns

O início da doença é assintomático, ou seja, o indivíduo não apresenta sintoma de gordura no fígado. Nessa fase, muitas vezes a doença é descoberta através de exames que indicam elevação das enzimas do fígado, comprovada por meio de ultrassonografia. Com o passar do tempo, podem ocorrer quadros de diminuição do apetite, aumento do tamanho do fígado, cansaço, fraqueza e dor.
Nos estágios mais graves da doença, quando há o desenvolvimento da fibrose e, consequentemente, insuficiência hepática, pode ocorrer ascite (aumento do tamanho do abdome devido ao acúmulo de líquido), icterícia (cor amarelo-esverdeada na pele e nos olhos), hemorragias e até mesmo encefalopatia hepática, que pode levar ao coma.

O que causa gordura no fígado?

A esteatose hepática pode ser provocada pelo consumo excessivo de bebidas alcoólicas, sendo chamada de doença gordurosa alcoólica do fígado, assim como por outras causas chamadas de doença gordurosa não alcoólica do fígado, como sobrepeso e obesidade, alimentação inadequada, colesterol e triglicérides elevados, resistência à insulina, hepatites virais, diabete e uso de medicamentos.
Segundo dados da Sociedade Brasileira de Hepatologia, a obesidade e o sobrepeso estão entre as principais causas para o desenvolvimento de esteatose hepática, cerca de 80% dos indivíduos com sobrepeso desenvolvem essa doença. É necessária atenção na perda de peso, pois o efeito sanfona e a prática de dietas da moda, que provocam o emagrecimento rápido, podem piorar o quadro de gordura no fígado.

Tratamento e prevenção da gordura no fígado

O desenvolvimento da gordura no fígado tem relação direta com o estilo de vida, o sedentarismo e a alimentação pouco saudável, como dietas muito calóricas, ricas em gorduras saturadas e trans e em açúcares.
O tratamento para a esteatose hepática varia de acordo com a causa da doença, mas se baseia em um estilo de vida mais saudável, com alimentação equilibrada e prática regular de atividade física. É raro o uso de medicação.
Estudos comprovam que a prática de atividade física reduz os níveis de gordura no fígado e previnem o desenvolvimento da esteatose hepática.
A boa notícia é que nos estágios iniciais, a esteatose hepática tem cura. Para isso, é preciso mudar os hábitos de vida, com exercícios físicos e alimentação saudável, além de acompanhamento médico adequado.


style="display:block; text-align:center;"
data-ad-layout="in-article"
data-ad-format="fluid"
data-ad-client="ca-pub-7878685036491382"
data-ad-slot="6234138731">

Summary
Article Name
Esteatose hepática: entenda a gordura no fígado
Author
Description
Se não tratada corretamente, a esteatose hepática, também conhecida como gordura no fígado, pode causar doenças mais graves. Saiba o que causa, como prevenir e tratar!

Categorias -

Menu Blog
x